Sabe, até ontem eu tinha muita coisa pra te dizer. Sério. Uma lista de coisinhas miúdas que fui anotando no lado do coração que era alimentado pelo lobo mal. De como eu deveria ser, de como eu deveria agir com você e com qualquer outro que ousasse se aproximar de mim.
Queria te dizer que faria tudo diferente do que fiz com você.

Seria menos intensa. Seria mais séria. Mais sarcástica. Seria aquela que ficaria offline só pra machucar. Que demoraria de responder as mensagens, que faria os joguinhos. Os piores jogos. Jogos perigosos.
Estava aqui, quase saltando da minha boca, preso na garganta, as coisas horríveis que estaria disposta a fazer com quem ousasse a me amar um dia. Se me falassem um ‘eu te amo’, eu iria pisar e fazer doer da forma mais tosca e imbecil.

Do jeito mais cruel que você possa imaginar.
Seria o que você foi pra mim na vida uma outra pessoa.
Hoje eu acordei diferente. Era como se ao acordar e olhar a luz do sol entrando pela minha janela, ele alimentasse o lobo bom que existe no meu coração. E ao olhar tudo o que a gente viveu e tudo o que eu sou, me orgulhei.

Eu nunca conseguiria ser o que você foi pra mim pra uma outra pessoa. Nunca.
Se eu pudesse eu te diria agora. Nesse momento. Com você eu aprendi a esperar o pior dos outros. Mas sempre o melhor de mim. Isso, você não conseguiu alcançar por ser pequeno demais