Três chamas bem acesas
Iluminavam a beleza da mesa.
Mas eram os seus olhos que me queimava.
A emoção de tão forte adocicava.
De onde vinha aquele poder que emanava fogo.
O coração fazia prece em rogo.
Para não se queimar com tanta sedução.
Cuidando para não deixar sofrer o coração.
O medo e a ilusão misturavam numa agonia.
Os olhos em chamas mais brilhantes, meu coração ardia! Resolvi
declamar uma ardente poesia.
Para declarar o que o coração sentia!
A grande energia
Produziu magia.
A poesia fez no pensamento reflexão;
Deixou no coração ponto de interrogação.
E um calor meigo suave
Soou como canto de ave.
Doce aventura de amor reconhecido.
Corações batiam apressados!

Hortência Lopes.