Você aparece aqui, fala de saudade com propriedade, diz que sente muito pela ausência e que anda muito ocupado, e eu esqueço das mensagens que você não respondeu. ⁣

Você surge em meio a minha carência, se aproveita da minha fraqueza e se encoraja. Fala de “nós” como se houvesse alguma pretenção e me faz acreditar que tudo mudou. ⁣

Transforma meus dias cinzas em dias mais felizes, colore meu dia seguinte e depois vai embora como se isso tudo não significasse nada. ⁣

E eu volto, pra bolha de onde sai, adiando aquele “nós” e voltando a ser singular. ⁣
Sigo convicta de que não importa quantas chances você ainda ouse merecer, eu não perco mais tempo com a gente. ⁣

Mas é só passar um tempo que eu esqueço todas as promessas que fiz a mim mesma, e lá vou eu, pra sua casa, pra sua cama, pra sua vida. ⁣

É difícil lutar contra isso aqui dentro de mim. Existe um sentimento bonito aqui, e o único problema é que eu mesma que plantei e eu mesma que cultivo ele, sozinha. ⁣

E essa é a pior parte, a pior parte é saber que a reciprocidade que você me dá, é uma gotinha de algo que nem mata a minha fome de você. Sendo assim, melhor do que arrancar essa semente que eu mesma plantei, é não cultivá-la mais. Um dia ela morre. ⁣