A ansiedade me consome
queria adotar outro sobrenome
quem sabe mudar o pronome
só para te encontrar.

Deveria expressar em minha rima
com um lampejo de paixão e desejo
o quanto quero te ver.

Quem sabe morar na curva do teu sorriso,
contemplando teu riso,
mas minha paixão é como narciso e em um passo impreciso
iremos nos afogar.

Queria voltar para trás, virar no caminho de paz
e lembrar que em algum lugar
entre o museu e a praia
existe alguém que possa me amar.

A ansiedade me consome, será que lembra meu nome
ou sequer notou o olhar?