Na verdade, a gente só quer um carinho gratuito e permanente. Um abraço afetuoso para aliviar a rotina. Algo que seja inerente. Que não se afaste por pouca coisa. Que seja sincero, e mais do que tudo, que seja verdadeiro. Na realidade, a gente só quer uma presença que se importe com os nossos dias. Um olhar que não se desvie. Alguém que possa nos escutar. E que, além de escutar, consiga nos compreender. Uma palavra destemida para se abrigar. Um apoio amigo para que possamos levantar dos tombos da vida. Na verdade, a gente só quer um sentimento que seja inteiro. Que seja recíproco. Queremos apenas, que por alguns segundos, a vida consiga eternizar cada momento. Na realidade, a gente só quer a simplicidade afetuosa daqueles que vivem ao nosso redor. Queremos a fé que nos torne invencíveis contra as barreiras da vida. Queremos um movimento em direção ao outro, despretensioso. Que o acaso nos guie, onde o horizonte prevalece. Só queremos uma chegada que gere alegria. Uma esperança que nos faça continuar sem medo do amanhã. Na realidade, dentro de tantas realidades, eu só quero o que for verdadeiro. O aprendizado. A experiência do ontem. O segredo confiado sem medo. Uma entrega renovada. E que dentro dessa entrega, eu possa descobrir que a felicidade, por mais longe que esteja, pode ser alcançada.