Não, não quero mais abraços enquanto eles não vierem da alma. Não quero mais palavras bonitas se não saírem do coração. Chega o momento que a aparência de afeto já não serve mais... Que fique apenas o que é verdadeiro, o que não for, vou deixando ir. Preciso de verdades, não de conveniências.