No início de 2017 eu terminei meu mestrado e primeiramente me veio a pergunta: "o que fazer agora?" Mas imediatamente deixei para la.

Cansado

Depois de uma vida acadêmica que começou na metade de 2010 tudo que eu queria era um tempo. Quando era perguntado sobre o que iria fazer agora, a resposta já estava pronta: descansar! Uma das poucas coisas que me orgulho durante os dois anos de mestrado foi ter conseguido economizar o suficiente para esse tempo de descanso.

Então descansei. Mas não deitado na minha cama ou viajando. Gastei mais da metade do dinheiro com balada. Começava na terça (ou quarta-feira) e terminava no domingo, no sábado quando tinha "azar". E assim foram os 7 meses seguintes.

E agora?

Foi então quando o dinheiro acabou e comecei a pensar "o que vou fazer agora?". Exatamente aquela pergunta que estavam me fazendo desde, pelo menos, a metade do mestrado. Uma coisa eu sabia: não vou fazer o doutorado tão cedo. Não que tenha sido uma experiência ruim, só não era o que eu precisa agora.

Mudança

Então 2017 estava acabando, eu estava sem dinheiro, tinha acabado de passar por uma situação ruim na minha vida pessoal e na primeira semana de janeiro, depois de uns dias na praia, cheguei à conclusão: vou estudar para um concurso.

Ainda não sei se o tempo de descanso tinha passado, mas havia surgido a necessidade de seguir em frente com a minha vida e naquele momento a única coisa que me parecia possível era fazer o que eu sempre fiz minha vida inteira. Mas dessa vez ia ser diferente: eu estava estudando algo que não conhecia e com um objetivo final definido. E para que isso fosse possível eu tive que aprender a me organizar e, principalmente, parar de procrastinar. Logo eu, que sempre funcionei à base do: dá para fazer depois.

E é sobre isso esse perfil

Sobre como estou me tornando organizado e produtivo - duas coisas que nunca se encaixaram na minha vida - e como em tão pouco tempo isso mudou não apenas o meu comportamento, mas como na forma em que encaro a vida.