Eu estava sentada na varanda enquanto assistia ao por do sol e falava com você

Que varanda? Eu não tenho varanda!

Tenho só um banco velho em que me sento quando preciso sentir o mundo mais detalhadamente

E enquanto eu te enviava a foto, o mundo mudou de novo

Eu não sei o que há nas cabeças corredoras do centro da cidade, mas sei que elas não veem o mundo como eu vejo. Elas não veem os carros como eu vejo, não veem o amor como eu vejo

Eu vejo o céu como a extensão do que chamamos aqui na terra de amor

Eu vejo o sol se por como quem dá adeus ao balançar da onda, sabendo que ela vai voltar

Eu não sei.

Muito do que digo aqui não faz o menor sentido - nem para mim, eu juro

Mas quero continuar registrando a mudança do mundo nas minhas mãos

Porque a cada palavra que escrevi o mundo mudou ao meu redor, mas mudou, sobretudo, dentro de mim

~prgr