Fim do horário de verão pode ser decidido nas redes sociais.
Governo estuda promover uma enquete entre os usuários para deliberar sobre o assunto.
A questão do fim do horário de verão - adotado pela primeira vez no Brasil em 1931 - pode ser decidida nas redes sociais. Já que os estudos mais recentes não identificaram uma real economia de energia nos horários diferenciados, o Ministério de Minas e Energia (MME) resolveu remeter a decisão ao presidente Michel Temer, uma vez que o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, evitou apreciar a questão previamente. Segundo o Jornal do Comércio, o governo estuda promover uma enquete nas redes sociais para deliberar sobre o assunto.

Caso a decisão seja pela continuidade do horário de verão, a mudança no relógio deve começar no próximo dia 15 de outubro e terminar em 17 de fevereiro de 2018.

No último mês de junho, o estudo no qual se baseia o MME já havia revelado que a mudança nos hábitos dos brasileiros e os avanços tecnológicos interferiram na economia de energia que o horário um dia já proporcionou. Ainda assim, ele seria mantido pelas autoridades do setor elétrico em respeito a "questões culturais".

Ainda segundo a pesquisa, os hábitos ds consumidores são mais influenciados pelas temperaturas que pela incidência de luz natural, a exemplo do uso do ar condicionado. Dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) revelam que o horário de ponta, antes centrado entre 17h e 20h, hoje ocorre entre 14h e 15h.

O Ministério das Minas e Energia informou que no ano passado o horário de verão durou 126 dias e gerou uma economia de R$ 159,5 milhões ao sistema nacional, mas o valor não seria considerado relevante para o setor.