DISCURSO.

Raquel Dodge assume comando da Procuradoria-Geral da República
Ela substitui Rodrigo Janot e é a primeira mulher a chegar ao cargo.
Procuradora será responsável pelas decisões da Lava Jato no MP.

“Recebo com humildade o precioso legado de serviço à pátria forjado pelos procuradores-gerais da República que me antecederam, certa de que o Ministério Público deve promover justiça, defender a democracia, zelar pelo bem comum e pelo meio ambiente, assegurar voz a quem não a tem e garantir que ninguém esteja acima da lei e ninguém esteja abaixo da lei”, disse.
“Sob a Constituição de 1988, a nação brasileira tem escolhido construir sua história valorizando a liberdade de expressão e de reunião, apreciando a democracia, repudiando a corrupção e pedindo reconhecimento de seus direitos. O Ministério Público, como defensor constitucional do interesse público, posta-se ao lado do cidadão para cumprir o que ele incumbe claramente à Constituição de modo a assegurar que todos são iguais e todos são livres; que o devido processo legal é um direito e que a harmonia entre os poderes é um requisito para a estabilidade da nação”, disse Raquel Dodge.
“Há novos desafios jurídicos pela frente. Os valores que defenderemos e que definirão nossas ações estão na Constituição. Muito trabalho, honestidade, respeito à lei e às instituições. Observância do devido processo legal e responsabilidade são os atributos da cidadania. Neste início de mandato, peço a proteção de Deus para, nos momentos em que eu for colocada à prova, não hesite em proteger as liberdades, em cumprir o meu dever com responsabilidade, em fazer aplicar a Constituição e as leis para entregar adiante com segurança o legado que recebo agora. E que eu então possa dizer, parafraseando a grande poetisa Cora Coralina, de meu amado estado de Goiás, que contribuí para que haja mais esperança nos nossos passos do que tristeza em nossos ombros”, disse.
Raquel Dodge foi muito aplaudida.