Em ti descanso. Sua alma, meu canto. O mar em tua boca. O universo em tua alma. Nos abraços me enlaço. Me derreto. Me acalmo. Espero. Confio. As ondas, o caos, o oceano, a vida. Em ti me amparo. Sem volta, sem "mas". Apenas nós, um aconchego, um cobertor, um café, um abraço, um beijo. Um amor. Almas entrelaçadas sem todo o horror que permeia as almas e as relações dos contemporâneos tecnológicos. Apenas nós dois e o infinito. Apenas o tudo. O mar somos nós.
(Izabella Liberato)