Recentemente assisti Her, uma obra cinematográfica maravilhosa dirigida por Spike Jonze, tendo como gênero a comédia dramática, ficção científica e romance.
Durante o desenrolar desse filme fascinante, uma frase chamou tanto a minha atenção que não pude esquecê-la até hoje: "Se apaixonar é uma forma de insanidade socialmente aceitável". Essa frase vinha à tona toda vez que o tema "paixão" era abordado pelos meus pensamentos inquietos... Então eu finalmente notei que não há descrição mais perfeita neste mundo.
O que é a paixão se não uma completa loucura? O desejo repentino de se entregar de corpo e alma a alguém e querer o mesmo em troca; almejar este alguém incansavelmente dentre seus pensamentos cotidianos; dormir idealizando momentos que talvez nunca aconteçam e acordar já se lembrando do mesmo ao tentar recordar seus sonhos da noite passada. O que mais poderia classificar tais atitudes se não insanidade? Esta é a verdade, meus caros... Se apaixonar é insano!
O fato de não podermos escolher por quem nos apaixonamos e nem quem se apaixona pela gente é mais uma prova da tamanha loucura que é a paixão. Loucura essa que faz parte de nós... Não de quem somos, mas do que somos. O ser humano não pode escapar deste martírio, o que pra mim é um infortúnio! Queria eu poder ser uma desalmada sem coração em vez de sofrer com tais insanidades perturbadoras, que atrapalham a minha vida e me entristecem muitas vezes de forma avassaladora... Fazendo com que eu me sinta fraca. Logo eu, que sempre desejei ter a força como uma virtude.