Caçador de Estrelas

Pontinhos brilhantes e valiosos

Iluminam o céu e dão sorriso as crianças;

Trazem a mínima esperança que nos resta

Pontinhos brilhantes, esperançosos e valiosos

Tão distantes e difíceis de pegar

Tão complexos e difíceis de não se apaixonar

Pontinhos brilhantes, esperançosos e valiosos

Iluminam tantos momentos felizes de nossa vida;

Desde um sexo sem sentido ao incrível prazer de conhecer quem se ama

Pontinhos brilhantes, distantes e valiosos

Tanto valor em algo tão longínquo;

Em pontos pequeninos que acompanham a lua

É como se fosse um gracioso baile noturno

As estrelas e seus pares conduzem a lua em longas músicas e em curtas músicas

A levam para casa, lhe dão um beijo de boa noite

Mas não, as estrelinhas tão pequenas, indefesas e brilhantes não fazem isso

O porquê?

São pontinhos brilhantes, distantes, valiosos e mortos

Cada estrela que eu caço, que eu tento alcançar

Está morta

Morreu há milhares de anos, porém não abandonou a lua

Olhar para o céu é basicamente isso;

Visitar o passado, ver o grande cemitério de Deus

Sim, Deus é mau em deixar um cemitério valioso e belo apenas para apreciação

Mas não, não caço as estrelas porque elas são valiosas

As caço pelo simples motivo de se parecerem comigo

Pontinhos brilhantes, distantes, valiosos, mortos.

Você também: já não morreu por dentro?