Áries ♈

Num lugar onde a luz brilha forte, as árvores mantêm-se espessas e gloriosas, o fogo dança ao som da música. Hoje tem início a celebração do astro regente, no nosso reino, Marte, onde há uma grande fogueira na praça e todos os arianos se reúnem para dançar e beber. Algumas vezes há pequenas confusões e atrito entre os cidadãos de Ária, mas na maioria a autossuficiência resolve tudo.

Eu me chamo Dânica, que significa estrela da manhã, sou uma ariana critica, teimosa e grossinha, dificilmente agrado humanos de outros reinos, pois não"mando recado", alguns povos são muito fofos e vivem de sonhos, como as sereias piscianas, com seu amorzinho, tranquilidade e serenidade. Isso me irrita ao extremo! Conviver com elas seria o fim, por isso prefiro agir do meu jeito, tomando minhas decisões, sem ninguém pra ficar falando se está errado ou questionando. Se eu quiser amar, eu amo. Se quiser odiar, eu odeio. Se eu quiser ir embora, eu simplesmente vou. Minha vida é muito curta pra me prender em coisas pequenas.

Nosso povo costuma ser arrogante, avaliador, consumidor como o fogo e realista, tanto que outros reinos contam com nosso julgo nas reuniões do Conselho Zodíaco. O rei Edgar tem estado bastante ausente de Ária para participar das reuniões, o que me preocupa muito. Era comum o rei afastar-se uma vez no mês, mas já faz três meses que está lá e não voltou nem para a celebração da entrada de Marte na constelação que nos denomina.

Na escura noite, enquanto todos celebravam e estavam felizes, eu m encontrava sentava sob uma árvore bebendo licor sozinha, talvez nem tão só assim, meus maus pensamentos me faziam companhia.

_Dânica! - Cristine vinha correndo em minha direção até se sentar perante mim - por que está sozinha? Você sempre amou as festas...

_Estou saturada hoje.

_Nih, eu te conheço. Venha! Diga à sua mana o que está acontecendo - ah, como é sensível e protetora.

_Mau pressentimento, sinto o cheiro da angústia e do terror - abaixei a cabeça.

_Nih...você está...com medo? - bufei perante tamanho desaforo.

_Ora, Cristime! Medo não é um sentimento ariano! Como ousa dizer que sinto isso?

_Calma, não quis tocar na sua ferida.

_Cale-se!

_Nih, não desconta em mim! Ta legal? Nós não temos culpa pelo que aconteceu com o papai e a Sia - eu chorava lágrimas qe ferviam , trincava os dentes e machucava os pulsos enquanto os forçava.

_Não. Cite. Esse. Nome. Nunca mais! - olhei seus olhos castanho-avermelhados como o meu, nossos traços idênticos, porém de expressões diferentes. Ela é chama fria e eu chama quente. Poderia até dizer que é minha gêmea, o que não deveria ser, mas é provável que seja verdade.

Meu pai e eu éramos muito parecidos, não em fisionomia, mas no jeito, teimosos, fortes e decididos, porém ele era fascinado em explorações e isso o levou a lugares que não deveria ir. Cristime é minha irmã mais velha em dois anos, segundo os documentos, mas somos quase idênticas, exceto pelos seus cabelos pretos, os meus castanhos e alguns traços no olhar e sorrir, ela até é um pouquinho mais alta, mas temo o que essas semelhanças signifiquem.

Há cinco anos Sia nasceu, nossa irmã mais nova, não conhecemos sua mãe, assim como não conhecemos a nossa, segundo papai ela morreu no parto. Ele trabalha viajando por Ária e outros reinos, desconfiamos que antes de sair do nosso ele conhecesse mulheres descompromissadas, ao contrário de outros reinos, casamento não é obrigação, permanece unido quem quer. Natsu é nosso irmão do meio, foi o único que conhecemos a mãe, ela o trouxe e pediu perdão por isso, vivia da dança e um filho atrapalha seu trabalho e sustento. Quando Sia foi trazida por meu pai, o que mais incomodou foi o fato d manter tanta discrição quanto as suas origens. Sempre me manti indiferente quanto a sua presença, mas Cristime era super apegada. Eu só queria meu pai.

Com o passar do tempo o comportamento de Sia foi ficando estranho, gostava mais do escuro, sua pele não suportava o fogo muito próximo, seus olhos ficavam azuis durante a noite e cinza de dia, além da voz doce e calma, ao contrário dos arianos que possuem voz marcante e grave. Minhas dúvidas eram respondidas a cada dia que passava. Quando Sia completou 7 anos começaram a surgir escamas avermelhadas em sua pele e todos perceberam que ela era meio ariana e pisciana, aí já não havia mais verdades a esconder. Papai e Sia foram executados em praça pública. A miscigenação de signos é considerado crime grave. Houve um tempo em que alguns se rebelaram e tiveram filhos miscigenados, que não tinham poderes e morreram jovens dentro do zodíaco, os que conseguiram sair dele viveram normalmente na Terra, a forma mística os sufocava. Estes jamais conheceriam a magia e viveriam sozinhos numa terra sem amor, carregando o fardo de não serem legítimos, filhos de um pecado, indesejados e deserdados.

[continua]